31 de ago de 2010

100 anos


Dizem que ser corintiano é diferente. Mas eu não posso concordar. Não porque não acho que seja e, sim, porque, desde que me conheço por gente, nunca amei outro time que não o Corinthians. Nunca sorri, chorei e vibrei por outra camisa que não a alvinegra.

A verdade é que é quase impossível encontrar palavras que descrevam a sensação de torcer para o Timão. É um orgulho que não se mede em títulos. Uma paixão que não se abala com derrotas. E um amor muito maior do que todas as glórias.

Fazer parte de uma das maiores torcidas do Brasil é ser sempre um pouco mais em tudo. Mais feliz. Mais triste. Mais derrotado. Mais vitorioso. Mais chato. Mais fanático. Mais louco. E, entre tantos "mais", ser corintiano é, acima de tudo, ser mais FIEL.

No final das contas, então, será que ser corintiano é realmente diferente? Continuo sem saber. Só sei que o simples fato de ser parte dessa nação me faz sentir especial. Sem razões ou explicações. Apenas faz.

11 de ago de 2010

Razão

Precisei de olhos ardidos e inchados para enxergar que a vida não é feita de vontades. E, sim, de razões.

Para controlar os seus impulsos. Para tomar as decisões certas. Para consertar as atitudes erradas. Para mudar os discursos repetitivos. Para estar satisfeito. Para mudar. Para tentar. Para continuar. Para parar. Para querer. Para começar. Para acabar.

Talvez, a única coisa que não exija razões, e apenas vontade, seja o amor. E ainda assim, estamos sempre procurando por elas em tudo que amamos ou pensamos amar. Porque talvez esta seja a única - e, no meu caso, última - razão para continuar tentando.