13 de mai de 2010

Saudades

O ano de 2006 foi um dos mais importantes para mim. Nada de especial aconteceu. Não casei, não morri, não nasci, não tive filhos, nem sequer mudei de casa. Mas algo dentro de mim mudou. Na verdade, muitas coisas mudaram. Passei a me conhecer e a reconhecer minhas vontades. Vi meus defeitos e qualidades com meus próprios olhos e comecei até a gostar mais de mim assim. Livre, auto-suficiente, sozinha na medida certa. Incompleta, mas feliz. Com mais assuntos pendentes do que resolvidos e, mesmo assim, leve.

De uns tempos pra cá, no entanto, não me sinto mais assim. Não gosto mais tanto de mim. Não sou tão livre, nem auto-suficiente. Estou na medida errada de solidão. Com mais assuntos resolvidos do que pendentes e, mesmo assim, dona de uma angústia sem fim. Por que? Não sei.

Saudade... às vezes, eu queria voltar pro tempo em que eu era melhor, mesmo achando que estava na pior.

4 de mai de 2010

Vamo, vamo meu Timão!


Hoje é dia de Corinthians x Flamengo pelas oitavas de final da Copa Libertadores. Estamos em desvantagem. Em número de gols e de torcedores. Angústia, otimismo, tensão e fé se transformam em apenas um sentimento. O medo de ver o sonho acabar é imenso. Mas a vontade de ver o Timão ganhar não cabe no peito.

Há dois anos, o plano de chegar à Libertadores foi destruído por um leão chamado Sport. Em 2009, porém, Atlético Paranaense, Fluminense, Vasco e Internacional não foram capazes de acabar com o sonho corintiano de disputar o torneio no ano do centenário. Mas o Alvinegro quer mais. Quer levantar a taça de campeão da América e preencher o vazio que ainda existe em sua lista de títulos. E para isso, nada pode nos parar.

No campo, serão necessárias a raça e determinação que nunca faltam aos pés de Jorge Henrique e Chicão. O talento e vontade de Elias e Dentinho serão indispensáveis, assim como a segurança do capitão William e a experiência de Roberto Carlos. A sorte será bem-vinda e a estrela de Ronaldo tem de estar pronta para brilhar uma vez mais. Fora das quatro linhas, não há dúvidas: a nação corintiana vai torcer, sofrer, vibrar e, se tudo der certo, comemorar.

Vamos para ganhar. Mas, se perdermos, vamos superar. Porque um time não é feito apenas de glórias e, sim, de histórias. E isso, Timão, tu tens de sobra.